27 de ago de 2011

La sombra sin hombre


Tô com mania de falar em espanhol, cuec!

(Idéia para um conto:
Jurandi acordou assustado esta manhã, percebeu que sua sombra havia desaparecido. Na realidade, ela havia esquecido a sombra de seu chapéu no metrô na noite passada, logo teve que voltar para pegá-la.
Mas, enquanto a sombra esgueirava-se de volta para Jurandi na madrugada, parou num banquinho de praça e pensou duas coisas bastante pertubadoras: "Existe anão criança?" e "Eu existo?", nenhuma resposta foi obtida.
Contudo, percebeu que viver às custas daquele homem não era vida. Decidiu fugir, talvez constituir uma família, montar uma fábrica de palitos de dentes, ensinar francês à uma Lhama... Um mundo de opções pela frente! Ninguém iria impedi-la! - a não ser o sol, mas não era problema para Jirandu, como se auto-titulou, era uma ninja na arte de sortear números pares em sorteios de rifas.
[...]
Anos mais tarde, Jurandi encontrou sua sombra limpando orelhões com cotonetes gigantes).





2 comentários:

  1. TUA PINTURA MELHOROU PRA PACAS!
    lhamas são legais e ninjas melhores ainda, tchu tchu tchu tchum tchuuummmm!

    ResponderExcluir

VOCÊ TEM CERTEZA DISSO? ACHO BOM.